Sol de Outubro

E o sol nascera rubro
Com o choro de cada criança
Porquanto haviam perdido a esperança
Naquele triste dia de outubro

E o céu escuro escondeu
De cada estrela o brilho
E em cada pai e em cada filho
Uma lágrima escorreu

A humanidade toda erra
A cada bomba lançada
A cada vida despedaçada
Nas amarguras da guerra

Se, ao invés, plantássemos flores
Nos campos da mocidade
Encontraríamos a felicidade
Aplacaríamos todas as dores

Que possamos encontrar a paz
Em cada canto desta Terra
Que a dor a luz encerra
E o amor a todos apraz

Daniel Moraes Bittar
©11/09/2015

D. M. Bittar

Nascido em 11/08/1980 em Brasília. Morou a vida toda na cidade. Se formou em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Brasília e atualmente trabalha na área. Formou-se teatro na Companhia da Ilusão. Ama as artes cênicas e possui a leitura, a escrita e o teatro como principais hobbies.

0 Comentários

Nenhum Comentário Ainda!

Você pode ser o primeiro a comentar esta publicação!

Deixar uma Resposta